GUIdance: há 10 anos a abrir portas à dança contemporânea

0

Já é um festival incontornável da programação vimaranense. O GUIdance celebra 10 anos e conta com um cartaz de (re)lembrar tudo aquilo que já dançou no passado.

De um importante passo de dança até ao esplendor da contemporaneidade, o GUIdance está de parabéns por mais uma etapa conseguida no panorama nacional da dança contemporânea, com um cartaz exímio e digno de ser visto pelo mais comum dos mortais. São 10 anos em 10 dias de dança, de 6 a 16 de fevereiro.

O GUIdance 2020 apresenta-se com programa diversificado que traz à cidade de Guimarães projetos consagrados da dança nacional e mundial. Para além do cartaz há ainda uma programação paralela composta por workshops, masterclasses, ensaios abertos nas escolas de dança, talks e debates.

Vera Mantero (no meio) é o destaque do GUIdance 2020

Dez anos fazem com que vários artistas regressem à cidade berço como são os casos de Tânia Carvalho, Sofia Dias com Vítor Roriz, Fernanda Fragateiro ou Vera Mantero, que este ano surge como destaque do festival de dança vimaranense sob o mote “a dança, é uma palavra no feminino”.

Já as novas criações de Joana Castro, Rite of Decay, ou Fernanda Fragateiro & Aldara Bizarro, Caixa para Guardar o Vazio, colocam à prova um novo palco neste festival. O CIAJG, conhecido como o museu do mundo, dá também a conhecer alguma da programação do GUIdance, também com propostas para os mais novos.

Comum a todas estas destacadas performances estão também agendadas as subidas ao palco de Akram Khan, Compagnie Marie Chouinard e Naif Production.

A repescagem de artistas do passado faz com que 2020 seja um ano de consagração para os diversos coreógrafos, entregando ao público a possibilidade de ver o crescimento tanto das suas criações como também do festival que promete mais uma vez romper os cânones da dança.

SOBRE O GRANDE CARTAZ DE 2020 (E SEUS DESTAQUES)
Entre as duas estreias absolutas e as quatro nacionais, há muito para ver em Guimarães nos inícios de fevereiro. Destacamos a peça da dupla Vera Mantero e Jonathan Uliel Saldanha que conquistou um dos mais importantes festivais franceses, D’Avignon, com Esplendor e Dismorfia.

Como cabeças de cartaz surgem as obras Outwitting the Devil da tão desejada companhia de Akram Khan que esteve em conversações com os responsáveis vimaranenses durante muitos meses e a dupla prestação da canadiana Marie Chouinard com a obra de 1993 The Rite of Spring e Henri Michaux: Mouvements de 2011.

Num ano marcado por regressos destaque ainda para Onirorauta de Tânia Carvalho. Uma peça comovente e emocionante a partir de sonhos perturbadores que prometem colocar o espetador agarrado à cadeira do Grande Auditório logo no primeiro dia de festival.

De Londres chega a tão esperada companhia de Akram Khan

A saudar a entrada nos diversos espetáculos há bilhetes e pacotes de ingressos que prometem facilitar esta grande viagem de uma década de GUIdance. Há assinaturas de 3 ou 5 espetáculos à escolha pelos valores de 20 e 50€, respetivamente. O programa pode ser consultado abaixo.

GUIDANCE 2020
6 a 16 de fevereiro

6 de fevereiro:
21:30
-Tânia Carvalho: Onironauta | CCVF

7 de fevereiro:
17:00
-Masterclass: Akram Khan | CCVF
21:30
-Mantero & Saldanha: Esplendor e Dismorfia | CCVF

8 de fevereiro:
16:00
-Debate | CIAJG
18:30
-Joana Castro: Rite of Decay | CIAJG
21:30
-Akram Khan: Outwitting the Devil | CCVF

12 de fevereiro:
21:30
-Mantero: Os Serrenhos do Caldeirão | CCVF

13 de fevereiro:
21:30
-Monteiro Freitas: Bacantes | CCVF

14 de fevereiro:
21:30
-Dias & Roriz: O Que Não Acontece | CCVF

15 de fevereiro:
16:00
-Fragateiro & Bizarro: Caixa para Guardar o Vazio | CIAJG
-Debate | CIAJG
18:30
-Elizabete Francisca: Dias Contados | CIAJG
21:30
-Chouinard: Rite of Spring | CCVF

16 de fevereiro:
11:00
-Masterclass: Chouinard | CCVF
16:00
-Naif: Des Gestes Blancs | CCVF

Share.

Comments are closed.